Siga também no:

Conteúdo

A Gazeta inova e deixa prefeito fazer jornalismo em primeira pessoa

Em uma reviravolta que certamente fará as escolas de jornalismo repensarem seus currículos, A Gazeta trilha um caminho pioneiro ao permitir que um prefeito em pleno ano eleitoral assuma a caneta para fazer jornalismo em primeira pessoa. Esqueça a imparcialidade e a separação entre estado e imprensa; essas são, afinal, meras formalidades em uma época onde as fronteiras entre a notícia e o narrador são tão fluidas quanto a ética por trás dessa decisão editorial.

Lorenzo Pazolini, o prefeito-escritor, ou seria escritor-prefeito, mostra seu talento multifacetado ao transformar o que deveria ser um espaço de debate público em um monólogo de auto-elogio, habilmente disfarçado de prosa jornalística. A Gazeta, nessa parceria inusitada, parece confundir o conceito de liberdade de imprensa com liberdade de propaganda, entregando não apenas as páginas de seu periódico, mas a própria essência do jornalismo, de bandeja.

O que vemos é uma dança entre o poder e a imprensa, onde a liderança política já não apenas sussurra nos ouvidos dos jornalistas, mas toma o microfone e declama suas próprias virtudes. Quem precisa de assessores de imprensa quando você pode ter o seu próprio espaço garantido na primeira página?

Continue Reading
Publicidade

Mais em Conteúdo

Mais lidas

Textos Convidados

Sociedade do Umbiguinho

Topo