Siga também no:

Textos Convidados

Abstinência literária: vício que não me livro

Precisamos de água, nos alimentar, respirar, dormir. Porém, bem além do que nos orienta a pirâmide de Maslow sobre as nossas necessidades essenciais, alguns seres humanos peculiares também dependem de um elemento fundamental para dar mais vida aos seus dias: uma boa leitura. 

Repare bem no adjetivo que utilizei (boa), pois ele me motivou a escrever este texto. Estou há uns 6 meses sofrendo com a falta de uma companhia literária que me prenda totalmente. Várias obras passaram pelas minhas mãos e pelos meus olhos nesse tempo, mas nada que tenha me marcado tanto assim. Destaco: não deixo de ler sob nenhuma hipótese. Inclusive, quando estou para finalizar um livro já inicio as buscas por outro. E uma nova saga se inicia até finalizar a escolha.

Quando me refiro a uma boa leitura, estou me referindo àquela sensação de romper com os limites do tempo e as fronteiras físicas. A gente tenta estabelecer um intervalo de 30 minutos de leitura, mas quando se dá conta já se passaram 2 horas e já estamos entendendo tudo sobre o universo do planeta Wonka, da galáxia Corleone, povoada pelos Cavaleiros que dizem “Ni”. Nesse ínterim, já avançamos madrugada adentro e o sono já foi comprometido, pois não paramos de pensar nas surpresas que os próximos capítulos vão trazer.

Sem dúvidas, esse é o ponto que mais me encanta a cada nova leitura: a possibilidade de passear por cenários que transcendem ao previsível e ao pragmático. É a imaginação sendo turbinada, flutuando por ambientes e por cenários que nunca fizeram parte do nosso acervo, mas que, daqui para frente, vão fazer parte dos nossos sonhos e das conversas com os amigos.

Tenho uma meta anual que considero bem modesta: ler entre 12 e 15 livros. Os livros acadêmicos não costumam fazer parte da lista, embora encontremos obras incríveis que colaboram com o entendimento de um tema ou trazem novas nuances sobre um assunto. Você pode questionar: “ué, mas não é livro também?”. Sim, é, mas gosto de ter na cabeceira ou no Kindle um texto que faça ir além de um uso instrumental dos escritos. Coisa minha, besteira. 

Retomando sobre a quantidade de livros a ser lida durante 12 meses: esse número pode variar, para menos e para mais, até porque o número de páginas de uma obra pode ter 120 páginas e em outra, mais de 500. Isso faz parte do jogo e gosto do processo de tentar acelerar a leitura de um título para continuar alcançando minha meta. 

Pode parecer meio esquisito, mas quando estou imerso em uma leitura, costumo levantar vários questionamentos, como: o que a pessoa que escreveu pretendia com essa obra? Por que esse jogo de palavras foi usado? Qual a intenção em utilizar esse estilo de escrita? Quanto tempo levou para terminar o livro? 

No caso de obra cuja versão original foi escrita em países de outras línguas, fico me perguntando sobre o que levou a editora brasileira a publicar essa obra por aqui. Será que quem traduziu o original para português foi fiel à proposta original? Será que gostou do texto ou fez apenas uma versão dos escritos sem maior envolvimento com aquele conteúdo?

Pois é, o efeito de um bom livro em mim extrapola a leitura das linhas apresentadas. 

Em tempos em que acessamos multitelas e costumamos deixar nossas mentes no modo automático, uma boa leitura é capaz de ativar a energia adormecida da nossa concentração ao exercitar as possibilidades de nos manter focado e alimentando verdadeiramente o nosso repertório cultural. 

Se você chegou até o fim deste texto, penso que há grandes possibilidades de que seja alguém que tem uma relação de amor (ou dependência, quiçá, vício) com as páginas de um livro. Aposto também que é o tipo de leitor que, tal qual uma nova viagem, sente um frio na barriga toda vez que inicia a leitura de uma obra escrita por quem nunca ouviu falar, mas que foi recomendada por uma pessoa que você admira bastante.

Enfim, não importa se o seu gênero preferido é romance, biografia, poesia, contos ou crônicas, tanto faz. Uma leitura especial torna nosso mundo melhor, dá novos contornos à nossa história de vida e nos faz viajar sem precisar sair da poltrona. E isso não é ficção.

Victor Mazzei
Redator, Professor, Mestre, Doutor e Autor.
@victorrmazzei


As opiniões expressas neste texto são de exclusiva responsabilidade do autor convidado e não refletem, necessariamente, a visão ou posição editorial de O Parcial. Cada autor convidado é responsável por suas declarações, argumentos e conteúdos, reafirmando nosso compromisso com a pluralidade de ideias e o debate saudável e respeitoso.

Continue Reading
Publicidade
20 comentários

20 Comments

  1. Avatar

    Fabiano Mazzini

    26 de janeiro de 2024 at 14:28

    Ótima estreia. Vou te ler por aqui também. Abraços!

  2. Avatar

    Leandro

    26 de janeiro de 2024 at 15:06

    Lendo e lembrando das minhas memórias de leitura. A sensação é bem por aí mesmo, uma viagem. Adorei a citação dos Cavaleiros que dizem Ni!

  3. Avatar

    Fernanda Mappa

    26 de janeiro de 2024 at 15:18

    Sim. Cheguei ao final da leitura desse texto pois gosto de leitura e do redator do texto. Admiração primo. Para completar, meu gosto por livros vem por conta dos contos. Se eu fosse boa em trocadilhos como você, faria um. Bom vício para você.

  4. Avatar

    Letícia

    26 de janeiro de 2024 at 15:35

    Muito bom, tbm tenho esse vício e de vez em quando me sinto órfã literária. Mas, as vezes cai uma boa leitura do céu e me faz lembrar o quanto vale a pena esse vício.

  5. Avatar

    Matheus Majone

    26 de janeiro de 2024 at 17:01

    Massa! Só em janeiro eu li 2 livros. Acho que é um bom começo pra quem passou anos sem ler, né? Ótimo texto 😃

  6. Avatar

    Itamara

    26 de janeiro de 2024 at 17:08

    Texto inspirador, Professor! <3

  7. Avatar

    Renata

    26 de janeiro de 2024 at 17:21

    Legal

  8. Avatar

    Raquel Vieira Monteiro

    26 de janeiro de 2024 at 18:56

    Como sempre, leitura prazerosa, ler é bom por si só. Quando pegamos um artigo como esse a leitura se faz num piscar. Que venham mais dele. E a leitura é sim, grande companheira de vida. Sigamos com ela

  9. Avatar

    GRAZIELA Vieira Monteiro

    26 de janeiro de 2024 at 21:18

    Cheguei ao fim fácil!!! Nada mais libertador que a leitura. Adorei o texto.

  10. Avatar

    Luiza Medina

    27 de janeiro de 2024 at 07:25

    Cheguei ao final no texto. Excelente! Vou acompanhar por aqui também. Obrigada por compartilhar conteúdos relevantes, de forma leve e também nos incentivando a ler. Um grande abraço! 😉

  11. Avatar

    Ana Paula

    27 de janeiro de 2024 at 07:53

    Como uma ávida leitora, cheguei ao final do texto. Parabéns por compartilhar com tanto entusiasmo seu amor (vício, talvez) por livros.

  12. Avatar

    Maria Helena

    27 de janeiro de 2024 at 08:47

    Amei seu texto. Me achei num vício tão maravilhoso e tão raro por esses tempos. Sempre bom encontrar nossa turma.

    • Avatar

      MARCELA MARIA VIEIRA DO AMARAL

      27 de janeiro de 2024 at 09:58

      TB sou uma dependente mas acho que estou no estágio de alienação: não questiono nada sobre o processo criativo. Só embarco e vou e no fim as vezes tenho inveja. Por que não escrevi isso TB? Kkkkk. Ótimo passeio o seu texto. Pq não o escrevi?

  13. Avatar

    MAGNUM BERNARDO ROSENDO

    27 de janeiro de 2024 at 16:45

    Excelente! Realmente existe uma grande importância na prática da leitura. Como disse Monteiro Lobato ” Quem mal lê, mal ouve,mal fala, mal vê”. Parabéns pelo texto professor.

  14. Avatar

    MARCELA BOCAYUVA

    27 de janeiro de 2024 at 19:05

    Que texto bacana, professor. Parabéns!!!!!

  15. Avatar

    Wilson Peçanha Igreja Campos

    28 de janeiro de 2024 at 11:46

    Excelente coluna estreia, ansioso pelos próximos textos.

  16. Avatar

    Berenice

    28 de janeiro de 2024 at 16:35

    Excelente texto primo! Parabéns! Te admiro demais! Meu pai vai adorar receber esse texto pois é um ótimo leitor assim como você. Pena que os filhos não souberam seguir com tamanha paixão.

  17. Avatar

    Delva Gomes de Almeida

    28 de janeiro de 2024 at 22:09

    O livro é o nosso melhor companheiro, pois está sempre disponível, a qualquer hora em qualquer momento.
    O nosso desafio é despertar naqueles que não leem o desejo pela leitura.
    Parabéns pelo texto.

  18. Avatar

    Luana Loureiro

    30 de janeiro de 2024 at 19:11

    Fantástico, Mestre Mazzei!
    De um exímio redator, não esperava menos que isso. Excelente texto.
    Parabéns, O Parcial, pela sensacional ideia de convidar Victor para estrear a coluna.
    Um grande abraço,
    Luana Loureiro

  19. Avatar

    Sandro Mello Ferreira

    3 de março de 2024 at 17:28

    Ótimo texto. Parabéns Victor.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Textos Convidados

Mais lidas

Textos Convidados

Sociedade do Umbiguinho

Topo